Info Equestre
Neonatologia Edição 5º Ano 2020

Colostro e sua Importância para o Neonato Equino

Colostro e sua Importância para o Neonato Equino 1
V.5, Ed.1, N.168(2020)

Colostro e sua importância para o neonato Equino

Júlia Souza Santos Simões- Uniceug- 7º período-Goiânia

 

Resumo

O potro, durante a vida intrauterina, não tem exposição estimulação antigênica isso impossibilita a produção de anticorpos. Por isso, quando o potro passa a viver no ambiente extrauterino o que vai possibilitar essa proteção será o colostro. Se ocorrer falha na transferência de imunidade passiva pode gerar sepses neonatal, bacteriémia e morte em poldros recém-nascidos, constituindo a maior causa de perdas pelos criadores. Os elementos presentes no colostro são carboidratos, vitaminas, gorduras, proteínas, eletrólitos, lactose e minerais, como cálcio, fósforo, magnésio, potássio e sódio (KLEIN, 2014; GORDEN; TIMMS, 2017).

Abstract

The foal, during intrauterine life, has no exposure to antigenic stimulation, which makes the production of antibodies impossible. Therefore, when the foal starts to live in the extrauterine environment, colostrum will provide this protection. If the transfer of passive immunity fails, it can generate neonatal sepsis, bacteremia and death in newborn foals, constituting the biggest cause of losses by breeders. The elements present in colostrum are carbohydrates, vitamins, fats, proteins, electrolytes, lactose and minerals, such as calcium, phosphorus, magnesium, potassium and sodium

Introdução

A neonatologia veterinária é definida como a ciência responsável pelo estudo das primeiras semanas de vida dos recém-nascidos. O neonato equino apresenta-se em franco desenvolvimento, objetivando a redução das taxas de mortalidade neonatal. Neste período, são necessárias importantes adaptações ao meio externo, acompanhadas pelo desenvolvimento de funções vitais não cumpridas durante a vida intrauterina.

O potro é o produto final de um processo que vai desde a escolha dos progenitores, concepção e o parto, por isso a viabilidade deste produto final é o fator de maior relevância que envolve toda a cadeia de produção de cavalos (VIVRETTE, 2011).

O sistema imunológico dos equinos forma-se durante o decorrer da gestação e o potro nasce imunocompetente. Durante a gestação, o feto em seu precoce desenvolvimento tem condições de formular uma resposta imune, mas o ambiente uterino é estéril e não ocorre estimulação antigênica, consequentemente não é necessária a produção de anticorpos pelo feto.

Logo após o nascimento o neonato passa a viver em um ambiente com inúmeros fatores antigênicos, além de agentes patogênicos, sem que possua anticorpos para agir contra possíveis injúrias da vida extra uterina, desta maneira a proteção imunológica dos potros nas primeiras semanas após o nascimento será proveniente exclusivamente do colostro (TIZARD, 2014).A incidência de falha de transferência de imunidade passiva em diferentes partes no mundo é de 10 a 18%.

Ao nascer, os potros são considerados agamaglobulinêmicos, ou seja, o potro não possui anticorpos circulantes logo após o parto, contudo estudos mais recentes demonstraram que os potros são hipogamaglobulinêmicos, pois apresentam pequena quantidade de imunoglobulina M produzida no útero, porém ainda são dependentes da ingestão de colostro para transferência de imunidade (SELLON et al., 2006; BRINSKO et al., 2011; TIZARD, 2014).

Quando ocorre uma falha na transferência passiva de imunidade (FTPI), esta é normalmente devida à insuficiente transferência passiva de Ig nas primeiras 12 a 24 horas após o parto. A FTPI tem sido associada a um risco aumentado de sepses neonatal, bacteriémia e morte em poldros recém-nascidos, constituindo a maior causa de perdas pelos criadores (Nath, Anderson, Savage & McKinnon, 2010).

Desenvolvimento

O colostro é a primeira secreção láctea por ocasião do parto, constituído de leite e elementos do soro sanguíneo como as imunoglobulinas, principalmente a imunoglobulina G (Tizard, 2002). O mecanismo seletivo pelo qual ocorre a transferência de IgG do sangue para a glândula mamária envolve um conjunto de fatores como receptores na membrana basal ou intercelular da célula acinar epitelial e controle hormonal na síntese e transporte de imunoglobulinas (Pauletti, 1999; Bessi, 2001). A secreção de colostro é breve e normalmente os níveis de anticorpos tornam-se insignificantes em 24 h (Jeffcott, 1974; Koterba et al., 1990; Blood & Radostitis,1991).

O potro deve ingerir colostro nas primeiras 2 h de vida e, em torno de 6 h, imunoglobulinas podem ser encontradas no soro, atingindo pico em 18 h, em concentração muito próxima à encontrada no soro materno (Jeffcott, 1974; Koterba et al., 1990).

Um colostro de boa qualidade, ou seja, com altas concentrações de imunoglobulinas, tem alta viscosidade e coloração mais amarelada que o leite (Koterba et al., 1990). Sendo essa secreção semelhante ao leite, porém o teor de substâncias sólidas, proteínas e cinzas contidas no colostro é maior que do leite.

Os elementos presentes no colostro são carboidratos, vitaminas, gorduras, proteínas, eletrólitos, lactose e minerais, como cálcio, fósforo, magnésio, potássio e sódio (KLEIN, 2014; GORDEN; TIMMS, 2017).

Para além de se tratar de uma importante fonte de Ig, sendo o veículo fundamental na imunidade passiva, o colostro também provém ao neonato agentes imunomoduladores, citocinas, factores de crescimento, hormonas, enzimas, linfócitos, macrófagos, neutrófilos e células epiteliais (Sellon, Hines, & Johnson, 2009). As imunoglobulinas presentes no colostro são principalmente IgG, IgM e IgA (Rumbough et al., 1979; Koterba et al., 1990).

Os anticorpos ou imunoglobulinas (Ig) são moléculas proteicas que se encontram no plasma sanguíneo e são produzidas por plasmócitos como resultado da interação entre linfócitos B sensibilizados e antígenos específicos, possuindo a capacidade de se ligarem especificamente a esses antígenos e acelerar a sua destruição e eliminação (Tizard, 2004). A classe de Ig determina o tipo e a duração da resposta imunitária (Lipman et al., 2005).

A IgG corresponde a cerca de 86 % das Ig encontradas no soro, desempenhando um papel principal nos mecanismos de defesa humoral (Tizard, 2004). Esta Ig tem a capacidade de sair dos vasos sanguíneos mais facilmente do que as restantes Ig, devido ao seu reduzido tamanho.

Assim, participa ativamente na defesa dos espaços teciduais e superfícies do organismo. Os seus mecanismos de ação são a opsonização, a aglutinação e a precipitação de antígenos (Tizard, 2004).

A capacidade de prevenir infecções pela maioria dos agentes patogénicos é o resultado de um conjunto de mecanismos de defesa que podem ser divididos em dois grupos: imunidade inata e imunidade adquirida.

A imunidade inata é um processo complexo, que ainda não é totalmente conhecido, no qual o organismo reage contra um agente possivelmente patogénico, eliminando-o, sem que tenha tido contato prévio com esse mesmo agente (Tizard, 2004).

Os seus principais componentes são as barreiras físicas e químicas, como os epitélios das mucosas e as substâncias antimicrobianas presentes nas suas superfícies, as células fagocíticas (neutrófilos e macrófagos), os linfócitos T citotóxicos, as citocinas, as proteínas do sistema complemento e outros mediadores da inflamação (Abbas, Lichtman & Pillai, 2012).

A imunidade adquirida pode ser classificada como passiva (de origem materna ou artificial) ou ativa (por infecção natural ou artificial por vacinação) (Tizard, 2004), sendo mediada por células, os linfócitos T e B, que têm receptores específicos para os antígenos e produzem anticorpos, propiciando uma memória que servirá para uma resposta mais rápida numa segunda invasão pelo mesmo microrganismo (Giguère & Polkes, 2005).

Com a ingestão de colostro/leite, o TGI aumenta em diâmetro e comprimento, e adicionalmente ocorre também um aumento de densidade e altura das vilosidades intestinais e diferenciação dos enterócitos. Este desenvolvimento aumenta a eficiência nutricional e constrói a base da colonização microbiana intestinal (Denkhaus, 2010).

Os potros começam a ingerir as fezes da progenitora de modo a obterem mais bactérias benéficas para o estabelecimento da colonização microbiana intestinal. O desenvolvimento destas bactérias probióticas no intestino corresponde a um mecanismo de proteção direta contra o crescimento de agentes patogénicos. (Denkhaus, 2010).

A colonização microbiana não só é necessária para processos metabólicos, fermentação e produção de nutrientes, como também representa cerca de 80 % do SI em geral. Um sistema digestivo saudável contém milhões de bactérias benéficas, mas também potencialmente patogénicas. Uma constante presença de agentes patogénicos e antígenos pode ser vista como um aperfeiçoamento para o SI do neonato (Nikles & Heath, 1991).

Quando o poldro já ingere alimento sólido, esta microflora pode ser veiculada pela alimentação, estimulando assim o SI a produzir anticorpos, principalmente IgA. Esta interação entre bactérias benéficas e prejudiciais e o consequente desenvolvimento do SI salientam a importância de uma colonização microbiana adequada nos primeiros meses de vida (Denkhaus, 2010).

Colostro e sua Importância para o Neonato Equino 11

A microflora normal apenas se estabelece aos 2 a 3 meses de idade (Acworth, 2003). O maneio e alimentação do neonato são fatores muito importantes para o desenvolvimento do seu SI e, por isso, para seu estado de saúde futuro. Factores como a confinação do poldro desde o parto, que poderá aumentar o risco de desenvolvimento de stress crónico, prejudicial ao estabelecimento de imunidade, um início da alimentação com concentrado com elevado teor em hidratos de carbono e um desmame abrupto e demasiado cedo podem afetar muito negativamente o desenvolvimento do SI (Visser, Ellis & Van Reenen, 2008).

Os fatores que mais influenciam a duração da persistência do nível de Ig maternas no neonato em níveis detectáveis são: a quantidade de Ig absorvidas, a sua taxa de consumo pelo organismo e a sensibilidade do método utilizado para a sua detecção (Wilson, Mihalyi, Hussey & Lunn, 2001). Normalmente, às 3 semanas de idade o nível de IgG de origem materna já corresponde a apenas 50 % do valor observado logo após a ingestão e absorção do colostro (Frape, 2004), diminuindo em seguida até às 4 a 5 semanas, altura em que atinge o seu nível mínimo (Jeffcott, 1974b). Curadi et al. (2001) observaram um nível mínimo aos 45 dias de vida.

Desde esta altura até aos 6 a 8 meses de idade nota-se um aumento nos níveis de Ig autógenas, que se mantém constante até ao final do primeiro ano de vida (Jeffcott, 1974b). Na modernidade atual existe uma gama de testes rápidos que podem ser adquiridos pelas pessoas para dosagem de IgG de equinos, cada qual com a sua classificação frente ao resultado obtido, tipo de amostra, volume e tempo necessário (SELLON, 2006).

O IgG Check® fabricado pela Vencofarma® é um teste rápido, semiquantitativo, imunoenzimático, difundido no Brasil, facilmente realizado e que pode ser feito com soro ou plasma. Neste teste o soro ou plasma é misturado a um diluente, posteriormente a solução diluente obtida e uma solução tampão são adicionadas ao local indicado do teste e aguarda-se alguns minutos para interpretação do resultado (VENCOFARMA, 2015).

Tabela 2. Interpretação do teste IgG Check®.

INTENSIDADE DA

LINHA (C vs. T)

 

NÍVEL DE IGG

 

INTERPRETAÇÃO

C   T

C >> T

IgG < 400 mg/dL Terapia
C   T

C > T

IgG 400 – 800 mg/ dL Monitorar o animal (suprir se o potro apresentar sinais de doença ou enfraquecimento)
C   T

C = T

IgG = 800 mg/dL Normal
C  T

C < T

IgG > 800 mg/dL Transferência muito boa

Fonte: VENCOFARMA, 2015

 

Avaliação do colostro

Jeffcott (1974a) descreveu os parâmetros a serem avaliados visualmente no colostro. O seu conjunto forma a avaliação qualitativa. Dentro destes parâmetros, referem-se a viscosidade, a cor e a consistência do colostro. O colostro de boa qualidade deve ser viscoso, espesso e de cor amarelo dourado (Acworth, 2003).

A qualidade do colostro poderá ser avaliada através de vários métodos, como colostrómetro e do índice de refracção, com o auxílio de um refractómetro. Uma densidade de valor igual ou superior a 1,060 g/cm3 é o nível mínimo adequado para se considerar um colostro como sendo de boa qualidade e que após a sua ingestão poderá proporcionar um aumento da concentração de IgG no soro do poldro para valores considerados protetores (LeBlanc, McLaurin & Boswell, 1986; Munroe & Stoneham, 2011). Da avaliação quantitativa fazem também parte a determinação do nível de IgG e de PT.

Para ser considerado de boa qualidade, o colostro deverá conter uma concentração de IgG superior a 60 g/L (Acworth, 2003). Pelo contrário, o colostro é considerado de fraca qualidade quando o seu teor em IgG é inferior a 30 g/L (McGuire & Crawford, 1973; LeBlanc et al., 1986; Michelle M. LeBlanc, Tran, Baldwin & Pritchard, 1992).

Conclusão

A vacinação de éguas contra as doenças mais comuns que acometem os equinos é um ponto que merece destaque, pois éguas que recebem o reforço de vacinas 30 dias antes do parto apresentam na composição do colostro anticorpos contra as doenças as quais elas foram vacinadas (PARKER, 2013). As éguas devem ser transferidas ao local onde acontecerá o parto 4 a 6 semanas antes, para garantia de níveis elevados de imunoglobulinas colostrais contra os antígenos de maior preocupação para os equinos daquela localidade (BRINSKO et al., 2011).

Os cuidados com recém-nascidos devem ser redobrados, os primeiros dias de vida são cruciais para o resto da vida desse neonato.

O potro é o produto final de um processo que vai desde a escolha dos progenitores, concepção e o parto, por isso a viabilidade deste produto final é o fator de maior relevância que envolve toda a cadeia de produção de cavalos (VIVRETTE, 2011).Colostro e sua Importância para o Neonato Equino 12

Referências Bibliográficas

Abbas, A. K., Lichtman, A. H. & Pillai, S. (2012). Properties and Overview of Immune Responses. In Cellular and molecular immunology (7th ed., pp. 1–14). Philadelphia: Saunders.

Acworth, N. R. J. (2003). The healthy neonatal foal: routine examinations and preventative medicine. Equine Veterinary Education, 6, 45–49.

Baldwin, J. L., Cooper, W. L., Vanderwall, D. K. & Erb, H. N. (1991). Prevalence (treatment days) and severity of illness in hypogammaglobulinemic and normogammaglobulinemic foals. Journal of the American Veterinary Medical Association, 198(3), 423–428.

Bessi R (2001) Estudo da absorção de anticorpos do colostro em bezerros recém-nascidos. Piracicaba: ESALQ/USP, 2001. Dissertação (doutorado) – Escola Superior de Agronomia Luis de Queiroz – Universidade de São Paulo. 58p.

BRINSKO, S. P. et al. Routine management of the neonatal foal. In: Manual of Equine Reproduction. 3rd ed. Maryland Heights: Elsevier, 2011. p. 143-159.

Curadi, M. C., Minori, D., Demi, S. & Orlandi, M. (2001). Immunotransfer in the foal. Facoltà di Medicina Veterinaria Pisa, Pisa.

Denkhaus, L. (2010). The development of the immune system in foals (Equus Caballus) :passive immunity, the microbial colonization of the digestive tract and factors affecting this development. Wageningen University and Research Centre, Wageningen.

Frape, D. (2004). Equine Nutrition and Feeding (3rd ed.). Oxford: Blackwell Publishing Ltd.

Giguère, S. & Polkes, A. C. (2005). Immunologic disorders in neonatal foals. Veterinary Clinics of North America: Equine Practice, 21(2), 241–272.

GORDEN, P. J.; TIMMS, L. L. Lactação. In: REECE, W. O. Fisiologia dos Animais Domésticos. 13. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. p. 1522-1568.

Jeffcott LB (1974) Some practical aspects of the transfer of passive immunity to newborn foals. Equine Veterinary Journal, 6:109-115.

Jeffcott LB (1974) “Some practical aspects of the transfer of passive immunity to newborn foals”Equine Veterinary Journal Vol. 6. No. 3

KLEIN, B. G. Antígenos e imunidade inata. In:___. Tratado de fisiologia veterinária. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014. p. 1449-1467.

Koterba AM, Drumond WH & Kosch PC (1990) Equine clinical neonatology. Philadelphia: Lea & Febiger. 846p.

LeBlanc MM & Tran TQ (1987) Relationships among colostral eletrolytes, colostral IgG concentrations and absortion of colostral IgG by foals. Journal of Reproduction Fertility, 735: 619-622.

LeBlanc, M. M., McLaurin, B. I. & Boswell, R. (1986). Relationships among sérum immunoglobulin concentration in foals, colostral specific gravity, and colostral immunoglobulin concentration. Journal of the American Veterinary Medical Association,189(1), 57–60.

Lipman, N. S., Jackson, L. R., Trudel, L. J. & Weis-Garcia, F. (2005). Monoclonal versus polyclonal antibodies: distinguishing characteristics, applications, and information resources. ILAR Journal, 46(3), 258–268.

McGuire, T. C. & Crawford, T. B. (1973). Passive immunity in the foal: measurement of immunoglobulin classes and specific antibody. American Journal of Veterinary Research, 34(10), 1299–1303.

Nath, L. C., Anderson, G. A., Savage, C. J. & McKinnon, A. O. (2010). Use of stored equine colostrum for the treatment of foals perceived to be at risk for failure of transfer of passive immunity. Journal of the American Veterinary Medical Association, 236(10),1085–1090.

Nikles, S. A. & Heath, T. J. (1991). Pathways of lymph flow from the intestine of the horse. The Anatomical Record, 229(4), 521–524.

Pauletti P (1999) Efeito de diferentes níveis iniciais de imunoglobulinas adquiridas do colostro sobre a flutuação de proteínas séricas e desempenho de bezerras da raça holandesa.

Piracicaba: ESALQ/USP, 1999. Dissertação (mestrado) – Escola Superior de Agronomia Luis de Queiroz – Universidade de São Paulo. 104p.

Rumbaugh GE, Ardans AA & Ginno D (1979) Identification and treatment of colostrum-deficient foals. Journal of American Veterinary Medical Association, 174: 273-276.

SELLON, D. C.; HINES, M. T.; JOHNSON, J. R. In: SMITH, B. P. Distúrbios imunológicos. Medicina interna de grandes animais. 3. ed. Barueri: Manole, 2006. p. 1592-1595.

TIZARD, I. R. Imunidade no feto e no recém-nascido. In:___. Imunologia veterinária. 9. ed. São Paulo: Elsevier, 2014. p. 490-520.

Tizard IR (2002) Imunologia veterinária, 6 ed. São Paulo: Roca. 532p.

Tizard, I. R. (2004). Veterinary Immunology: An Introduction (7th ed.). Philadelphia: Saunders.

VENCOFARMA. Teste para detecção de IgG em potros. 2015. Disponível em: <https://www.venco.com.br/artigos>. Acesso em: 10 out. 2018.

VIVRETTE, S. L. Assessment and modification of passive transfer. In: MCKINNON, A. O. et al. Equine reproduction. 2nd ed. Nova Jersey:Wiley-Blackwell, 2011. p. 346-352.

Visser, E. K., Ellis, A. D. & Van Reenen, C. G. (2008). The effect of two different housing conditions on the welfare of young horses stabled for the first time. Applied Animal Behaviour Science, 114(3-4), 521–533.

Wilson, W. D., Mihalyi, J. E., Hussey, S. & Lunn, D. P. (2001). Passive transfer of maternal immunoglobulin isotype antibodies against tetanus and influenza and their effect on the response of foals to vaccination. Equine Veterinary Journal, 33(7), 644–650.

 

Posts relacionados

Intolerância à lactose em potros

hugo garcia da silveira 16996446886

Cólica Trombótica – Arterite Verminótica Equina

Redação InfoEquestre

Miopatia Ossificante em Equinos

Redação InfoEquestre

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais

error: Conteúdo protegido !!