Info Equestre
Notícias Edição 5º Ano 2020

Sondagem Nasogástrica, Refluxo e seus Significados

Sondagem Nasogástrica, Refluxo e seus Significados 1
V.5, Ed.1, N.114(2020)

Sondagem Nasogástrica, Refluxo e seus Significados

 Letícia Moraes Tavares, 7° período, Universidade Paulista, São José dos campos.

 

A sondagem nasogástrica deve ser realizada em 100% dos equídeos com síndrome cólica, resolvendo cerca de 80 a 90% dessas. É o 1° passo complementar a ser realizado nesses casos, pertence à etapa de exames complementares (FEITOSA, 2014) e permite eliminação de gás e conteúdo estomacal (líquido ou fibroso), impede a ruptura gástrica, gera conforto imediato, estimula o reflexo gastro-cólico, acelera processo fisiológico do esvaziamento gástrico, facilita a administração de medicamentos (por exemplo: protetores gástricos) e tem fins diagnósticos (FRANCELLINO et. al., 2015).

Dessa forma a sondagem gera resultados imediatos que podem ajudar a fechar o diagnóstico e as causas da cólica. A seguir será apresentado brevemente quais tipos de sondas existem, anatomia relacionada, como deve ser inserida a sonda nasogástrica, os resultados, interpretações do refluxo e alguns dados sobre a sondagem nasogástrica.

A maioria das sondas nasogástricas é feita de polivinil, porém as sondas siliconadas são mais fáceis de serem passadas, lesionam menos a mucosa nasal do paciente e tem maior durabilidade.

Em casos extremos a sonda pode ser feita com mangueira de parede interna firme, porém dobrável.  Um kit completo de sondas contem 5 tamanhos (neonato, potro jovem, potro sobreano, adulto médio e adulto grande), apenas 3 tamanhos são necessários para um Veterinário a campo.

Algumas sondas comerciais vêm com marcação nos 40 cm (média do comprimento da narina até altura da golte) ou marcadas a cada 10 cm. Se a sonda for muito pequena em relação ao animal e/ou pouco rígida ela pode ser facilmente direcionada para outra narina ou para boca do cavalo (FEITOSA, 2014).

Anatomicamente a sonda passa ventral e medial no vestíbulo nasal, chega no meato nasal ventral, passa pela coana faríngea, nasofaringe, laringofaringe, entrada esofágica, esófago cervical, torácico, abdominal, cárdia e ventrículo ou estômago (Imagem 1) (GETTY, 2004; BUDRAS, SACK, RÖCK, 2011).

 

Sondagem Nasogástrica, Refluxo e seus Significados 11
Imagem 1 – Passagem da sonda nasogástrica anatomicamente. Fonte: BUDRAS, SACK, RÖCK, 2011 (adaptada).

Para realizar a sondagem deve-se conhecer a índole do animal, se for muito agitado ou apresentar dor extrema o cachimbo/pito não basta para sua contenção, é necessário realizar contenção química (xilasina, acepromaxina, detomidina e/ou romifidina).

Um estudo recente diz que a sondagem nasogástrica apensar de ser, muitas vezes, essencial para vida do animal também é considerada um alto risco ocupacional para veterinários. 123 veterinários de equinos responderam um questionário e a maioria relatou usar a boca para soprar ou sugar a ponta da sonda e ter acidentalmente engolido conteúdo estomacal e/ou medicamentos (DROZDZEWSKA, POTOCNIK, SCHWARZ, 2020).

A sonda deve ser lubrificada na ponta a ser inserida com, por exemplo. lidocaína em gel ou nitrofurazona. Ao utilizar a lidocaína deve-se evitar tentativas consecutivas de passagem da sonda, para que esse anestésico local não deprima o reflexo de deglutição. A sondagem deve ser delicada e precisa para evitar lesões e consequentemente edema da região de orofaringe e laringe, que podem dificultar a sondagem (FEITOSA, 2014).

Para realizar a sondagem nasogástrica a sonda deve ser direcionada para ventral e medial, para evitar introdução no divertículo nasal (que fica dorsal e lateral) (Imagem 2).

A inserção deve ser delicada e a curvatura da sonda deve acompanhar a da cabeça, sendo que para facilitar a cabeça do cavalo pode ser flexionada. Quando a sonda se aproximar da marca da glote deve-se soprar a fim de estimular a deglutição ou esperar que o cavalo a faça de maneira espontânea (pode demorar) (FEITOSA, 2014).

Sondagem Nasogástrica, Refluxo e seus Significados 12
Imagem 2 – Localização do divertículo nasal. Fonte: BUDRAS, SACK, RÖCK, 2011.

Para certificar, se a sonda estiver no esôfago ao sugar não obterá nada, se esta estiver na traqueia virá ar, essa técnica de confirmação é importante, pois não é sempre que o animal tosse quando a sonda está na traqueia e a observação dessa no lado esquerdo do pescoço é visível em cavalos com pouco musculatura na região, sendo difícil observar em cavalos de musculatura cervical desenvolvida (FEITOSA, 2014).

Alguns veterinários de cavalos utilizam alternativas para evitar colocar a boca na extremidade da sonda no ato de soprar ou sugar. São: uso de grandes seringas, bomba de sucção (ineficiente se o estômago estiver com partículas grandes) e alguns até relataram o uso de ultrassom abdominal para identificar o quanto de líquido estomacal havia antes e depois do refluxo espontâneo. A campo essas técnicas não são muito aplicadas (DROZDZEWSKA, POTOCNIK, SCHWARZ, 2020).

Em cavalos sadios a sonda passa pelo esfíncter cárdia normalmente, e o odor fermentado é sentido. Com estômago muito distendido essa passagem pode ser dificultada, nesse caso a lidocaína auxiliaria na abertura do cárdia (FEITOSA, 2014).

De acordo com Feitosa (21014) para o animal a porção de maior desconforto é a passagem pela narina, nessa fase pode ocorrer sangramento pela lesão na mucosa nasal ou lesão da região etmoidal. Quando o sangramento é originado da porção etmoidal ocorre hemorragia profusa, porém sem riscos ao animal apesar de ser desagradável quando o proprietário está próximo. Pode ser estancado com compressa, nunca deve-se retirar o coágulo formado e para continuar o processo recomenda-se esperar 10 minutos (tempo normal de coagulação em cavalos).

Como ferramenta diagnóstica deve-se considerar volume, coloração, aspecto, odor e pH para interpretação do refluxo obtido, além de indicar a origem do refluxo (Quadro 1).

A saída de muito gás pode indicar timpanismo gástrico ou de porção cranial do intestino; odor desagradável pode sugerir fermentação gástrica ou lentidão para esvaziamento. Um refluxo espontâneo de 5 a 10 litros induz a pensar em obstrução do intestino delgado ou duodenojejunite proximal. No último caso o líquido drenado tende a ser marrom avermelhado, com sangue oculto dependendo da inflamação da alça (FEITOSA, 2014).

A origem do refluxo pode ser determinada pelo pH desse. O pH normal do líquido gástrico é de 3 a 6 variando de acordo com a fonte de alimentação e tempo de ação do suco gástrico. O pH alcalino sugere origem de intestino delgado indicando uma obstrução ou inflamação de alças intestinais craniais (FEITOSA, 2014).

Quadro1 – Diferentes características do refluxo proveniente da sondagem nasogástrica de origem gástrica e intestinal.

Característica do Líquido ESTÔMAGO INTESTINO DELGADO
VOLUME Menor que 5 L Maior que 5 L
COR Verde ou marrom claro Castanho ao preto
 

ASPECTO

Partículas grosseiras, viscos, menos digerido, com ingesta  

Líquido, partículas finas

ODOR Sui generis, mais fermentado Fecal e pútrido
pH 3 a 6 (pH Ácido) 7 a 8 (pH neutro e alcalino)

Fonte: FEITOSA, 2014 adaptado.

Quando não há drenagem espontânea a lavagem gástrica pode ser feita colocando 5 litros por vez (FEITOSA, 2014), apesar do ventrículo apresentar capacidade de 8 a 15 litros (GETTY, 2004), ele já pode estar  repleto de conteúdo. O ideal é realizar com água morna (para estimular o peristaltismo) ou em temperatura ambiente, água fria pode gerar distensão abdominal por gás que é eliminado via flatulência (FEITOSA, 2014).

O refluxo em pós operatório de cólica ocorre em cerca de 10 a 47% dos cavalos, majoritariamente em animais com estrangulamento de alças, ressecções de intestino delgado durante a cirurgia, idosos e com hematócrito elevado. A taxa de óbito pode chegar até 86% (HOAGLUND, HESS e HASSEL, 2018).

O cavalo pode apresenta dor durante a lavagem gástrica, se isso ocorrer deve-se retirar o volume inicial e adicionar volumes menores. Caso o animal esteja desidratado o líquido colocado é absorvido com maior rapidez, resultando em drenagens menos volumosas. Quando o estômago está vazio grande quantidade de muco pode ser observada. A saída de Parascaris indica acometimento de intestino delgado (local de parasitismo desse helminto), sugerindo um prognóstico desfavorável (FEITOSA, 2014).

A sonda deve ser retirada com delicadeza direcionada para baixo (para evitar sangramentos), sempre ocluindo a ponta de fora (FEITOSA, 2014).

Segundo Drozdzewska, Potocnik e Schwarz (2020) os riscos da sondagem apontados pelo estudo foram: pneumonia aspirativa, infecção por Staphylococcus aureus, Salmonella sp. e/ou Clostridium difficile e suas toxinas (em animais com febre e diarreia ou formação de refluxo; utilização de sondas não desinfetadas), intoxicação (em cavalos envenenados, principalmente por rodenticida com fosfato de zinco por ser altamente volátil) e lesões traumáticas (não relacionadas ao conteúdo gástrico em si).

Vale ressaltar que a sondagem nasogástrica é um procedimento técnico que deve ser realizado por médicos veterinários aptos, pois qualquer erro pode ser fatal. É exame complementar de extrema importância para garantir a vida de cavalos com cólica, sendo o 1° ato a ser tomado evitando principalmente uma ruptura gástrica e consequente peritonite, choque e óbito do animal.

 

 

 

REFERÊNCIAS

FEITOSA F. L. F. Semiologia Veterinária: A arte do diagnóstico. 3ed. São Paulo: Roca, 2014.

FRANCELLINO J. R. et. al. Pronto atendimento de síndrome cólica em equinos: revisão de literatura.             Revista científica eletrônica da Medicina Veterinária. Editora FAEF. Ano XII. n° 25. Garça – SP. Jul. 2015.

GETTY R. D. V. M. Anatomia dos animais domésticos. 5 ed. Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 2004.

HOAGLUND, HESS e HASSEL. Retrospective evaluation of the effect of intravenous fluid administration on development of postoperative reflux in horses with colic (2004–2012): 194 horses. Journal of Veterinary Emergency and Critical Care 00(0). pp 1-7. 2018.

DROZDZEWSKA K., POTOCNIK E., SCHWARZ B. Nasogastric intubation as health and safety risk in equine practice – a questionnaire. Journal of Equine Veterinary Science. S0737-0806(20)30042-3. 2020.

BUDRAS K. D., SACK W. O., RÖCK S. Anatomy of the Horse. 6° ed.: Schlütersche Verlagsgesellschaft mbH & Co. KG., Hans-Böckler-Alle. Hannover, Germany. 7, 30173. 2011.

 

 

 

Posts relacionados

Tromboflebite em Equinos

Redação InfoEquestre

Exame Andrológico em Garanhões

Redação InfoEquestre

Utilização de Plasma Rico em Plaquetas em Equinos com Doença Articular

Redação InfoEquestre

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais

error: Conteúdo protegido !!