Info Equestre
Neonatologia Edição 2° Ano 2017

Síndrome Cólica em Neonatos

Síndrome Cólica em Neonatos

Síndrome Cólica em Neonatos

A síndrome cólica é um termo geral usado para descrever qualquer condição que envolva dor na região abdominal do cavalo. Essa condição tem importância tanto em potros como em animais adultos.
Em neonatos, a cólica pode se desenvolver por diversas etiologias, tais como retenção de mecônio, uroperitônio, úlcera gastroduodenal e obstruções intestinais com estrangulamento vascular. Independente da causa, a cólica em potros requer cuidados intensivos e intervenção imediata, de forma a se evitar maiores prejuízos ou até mesmo a morte do animal.
Alguns sintomas apresentados podem ser semelhantes nessas afecções, desencadeadas pelo desconforto. Normalmente pode-se observar sudorese, abanar a cauda, olhar no flanco, decúbito por tempo prolongado e colocar-se em posições anormais, com os membros anteriores estendidos por sobre a cabeça.
Vale ressaltar a importância da anamnese como auxiliar no diagnóstico correto, visto a impossibilidade de se realizar alguns métodos semiológicos em potros, como a palpação transretal.
A retenção de mecônio é uma das causas mais comuns de cólica em potros. Esta patologia pode ser consequente da não ingestão de colostro, estreitamento pélvico em potros machos ou má formação do trato gastrointestinal, e tem como sintomatologia a postura com esforço para defecar e polaquiuria. O diagnóstico pode ser feito através da anamnese, na qual é relatada a não passagem de mecônio e por ultrasonografia. Neste caso, além da terapia de suporte, o tratamento envolve a administração de enemas com produtos específicos para esta patologia.
As úlceras gastroduodenais são mais comuns em potros lactentes e são resultados do desequilíbrio entre os fatores protetores e agressores da mucosa. Os fatores protetores são responsáveis pela manutenção da higidez do trato gastrointestinal e incluem a manutenção do fluxo sanguíneo na mucosa, produção de muco e bicarbonato, produção de prostaglandina E2 e fatores de crescimento epitelial, inervação gástrica aferente, reposição das células epiteliais e motilidade gastroduodenal. Os fatores agressores incluem o ácido gástrico, que se encontra aumentado nos intervalos entre mamadas, sais biliares, pepsina e várias enzimas.
A sintomatologia consiste em febre, diarreia, decúbito dorsal, bruxismo, sialorréia e refluxo gástrico, e o diagnostico pode ser feito por exame endoscópico, mensuração de pepsinogênio sérico, abdominocentese e radiografia abdominal contrastada. O tratamento se baseia em analgesia, diminuição da acidez gástrica, melhora na proteção da mucosa, estímulo da cicatrização e da motilidade e prevenção de complicações secundárias.
A obstrução intestinal com estrangulamento vascular ocorre principalmente em potros de 2 a 4 meses, época que há alteração na alimentação e desenvolvimento do intestino grosso. Assim como as outras afecções citadas, o diagnóstico se baseia principalmente no histórico, ultrassonografia, observação de sinais clínicos diferenciais, como refluxo intestinal e pela anamnese. O tratamento é cirúrgico, por laparotomia exploratória.
Síndrome Cólica em Neonatos 1
Nos casos de ruptura de bexiga, os potros demonstram sinais de dor abdominal (Cólica), além de outros sinais. Essa afecção ocorre devido à compressão que a vesícula urinária do potro sofre no momento do parto, ou em consequência de extrema tensão sobre o cordão umbilical e úraco, que podem tracionar e levar ao rompimento da estrutura. Os possíveis sinais clínicos são: disúria; polaquiúria e grande quantidade de liquido na cavidade abdominal. O diagnóstico é feito através da ultrassonografia e abdominocentese, buscando um diferencial de retenção de mecônio, pela semelhança da sintomatologia. O tratamento realizado consiste em procedimento cirúrgico para correção do quadro.
O prognóstico das patologias citadas depende, principalmente, do tempo de evolução, pelo fato de que o agravamento geral do mesmo ocorre de forma mais aguda em potros lactentes, pois eles param de mamar quando sentem dor, evoluindo rapidamente para um quadro de desidratação e entrando em hipoglicemia. A intervenção deve ser realizada o quanto antes, favorecendo a resolução do problema e reduzindo os riscos de complicações mais graves ao potro.

Texto por:
Maria Clara Miranda, 4° semestre, Universidade Potiguar, UNP, Natal- RN
Rafaela Pimentel, graduanda da Universidade Anhembi Morumbi, Santo André- SP
Edição e Revisão:
Deivisson Aguiar, Médico Veterinário

REFERÊNCIAS:
ADAMS,R; KOTERBA,A.M. et al. Exploratory celiotomy for suspected urinary tract disruption in neonatal foals: a review of 18 cases. Equine Vet. J., Kent, v.20, n. 1,p.13-17,1988.
ANDREWS F. M., JENKINS, C. C., BLACKFORD, J. T., FRAZIER, D.L., OLOVSSON, S.G. & MATTSSON, H. 1990. Antiulcer therapy in foal and horses. Proceedings of the 36th Annual Convention of American Association of Equine Practitioners. 37:613-626.
BUCHANAN, B. R. & ANDREWS, F. M. 2003. Treatment and prevention of equine gastric ulcer syndrome. Veterinary Clinics North American: Equine Practices. 19(3): 575-597.
CROWHURST, R.C. et al. Intestinal surgery in the foal. J. S. Afr. Vet. Ass., Pretori, V.46, n.1, p. 59-67, 1975.
EDWARDS R. B., DUCHARME N. G. & HACKETT R. P. 1995. Laparoscopic repair of a bladder rupture in a foal. Veterinary Surgery. 24: 60-63
NAPPERT, G., VRINS, A., LARYBYERE,M. Gastroduodenal ulceration in foals. Comp. on Cont. Ed. Pract. Vet., Lawrenceville, V. 11, n.3, p. 339-345, 1989.
REED, S.; BOYLY, W. Medicina interna equina. Rio de janeiro, Guanabara Koogan: 2000
SEMRAD, S. D. & SHAFTOE, S. 1992. Gastrointestinal diseases of the neonate foal, p. 445-455. In: Robinson, N. E. (ed.). Current therapy in equine medicine. 3ª ed. W. B. Saunders, Philadelphia
SILVA, L.C.L.C., Guia de neonatologia eqüina, p.91-100, 1995
THOMASSIAN, A.. Enfermidades dos cavalos. 4. ed. São Paulo – Sp: Varela Editora, 2005.
WILSON, J. H. Gastrointestinal problems in foal. In:ROBINSON, N. E. Current therapy in equine medicine. 2 ed. Phyladelphya: W.B. Saunders Company, 1987

Posts relacionados

Os malefícios da cocheira

Redação InfoEquestre

 Paralisia Periódica Hipercalêmica (HYPP)

Hugo

Endometrite Fúngica em éguas

Redação InfoEquestre

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais

Política de Privacidade e cookies
error: Conteúdo protegido !!