Info Equestre
Neonatologia Edição 5º Ano 2020

Falha na Transferência de Imunidade Passiva em Equinos: Como Agir?

Falha na Transferência de Imunidade Passiva em Equinos: Como Agir? 1
V.5, Ed.1, N.142(2020)

FALHA NA TRANSFERÊNCIA DE IMUNIDADE PASSIVA EM EQUINOS: COMO AGIR?
FAILURE TO TRANSFER PASSIVE IMMUNITY IN HORSES: HOW TO ACT?

FARIA, M.C1

1 Discente de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Lavras (UFLA),          Lavras/MG-Brasil. E-mail para correspondência: [email protected]

RESUMO: Imunização passiva é a transferência de elementos da imunidade adaptativa de um animal resistente a outro suscetível. Estes elementos, os anticorpos, que podem ser transferidos passivamente de forma natural (transplacentária e colostro) ou artificial (soro), conferem imunidade imediata, mas com a desvantagem de um curto período de proteção.

Uma vez que a via pela qual os anticorpos maternos alcançam o feto é determinada pela estrutura da placenta, a espécie equina é completamente dependente dos anticorpos do colostro, pois o tipo de placenta, epitéliocorial, bloqueia a passagem transplacentária das imunoglobulinas, nascendo hipogamaglobulinêmico ou agamaglobulinêmico, sem capacidade para preparar uma resposta imunitária rápida.

Nesse sentido, sendo o colostro a única forma de imunização passiva natural em potros, uma falha nesta, torna o animal totalmente sujeito a agentes agressores, sendo necessário intervir. A falha de transferência de imunidade passiva (FTIP) pode ter como etiologia três grupos de fatores principais: falha na produção de colostro (insuficiente ou de má qualidade), consumo inadequado pelo neonato e falha na absorção do intestino, apesar do consumo adequado do colostro.

O conhecimento e identificação desses fatores são, sem dúvida, essenciais na decisão de como agir. Essa decisão depende também do conhecimento do intervalo de tempo decorrido desde o parto até ao momento do diagnóstico, a qualidade do colostro ingerido, o estado de saúde do potro, sinais clínicos apresentados e presença de sinais de septicemia.

Tendo isso em vista, para o tratamento pode ser considerado o uso de colostro ou plasma oral, plasma ou soro hiperimune endovenoso, antibioticoterapia e terapia suporte.

Palavras-chave: FTIP, colostro, plasma, neonato, potro, imunoglobulinas

ABSTRACT: Passive immunization is the transfer of elements from the adaptive immunity of an animal resistant to another susceptible animal. These elements, the antibodies, which can be passively transferred naturally (transplacental and colostrum) or artificial (serum), provide immediate immunity, but with the disadvantage of a short protection period.

Since the pathway by which maternal antibodies reach the fetus is determined by the structure of the placenta, the equine species is completely dependent on the antibodies of colostrum, because the type of placenta, epitheliocorial, blocks the transplacental passage of immunoglobulins, being born hypogammaglobulinemic or agammaglobulinemic, unable to prepare a rapid immune response. In this sense, as colostrum is the only form of natural passive immunization in foals, a failure in this, makes the animal totally subject to aggressive agents, being necessary to intervene.

Passive immunity transfer failure (FTP) can be caused by three main groups of factors: failure in the production of colostrum (insufficient or of poor quality), inadequate consumption by the neonate and failure in absorption of the intestine, despite adequate consumption of colostrum. Knowledge and identification of these factors are undoubtedly essential in deciding how to act.

That decision also depends on knowledge of the time elapsed from birth to the moment of diagnosis, the quality of the ingested colostrum, the foal’s health status, clinical signs presented and presence of signs of septicemia. With this in mind, the use of colostrum or oral plasma, intravenous hyperimmune plasma or serum, antibiotic therapy and supportive therapy may be considered for treatment.

 Keywords: FPT, colostrum, plasma, newborn, foal, immunoglobulins

Falha na Transferência de Imunidade Passiva em Equinos: Como Agir? 2

Você precisa de um PLANO DE ASSINATURA
Entrar
*
Usuário
O nome de usuário não pode ser deixado em branco.
Please enter valid data.
*
Senha
A senha não pode ser deixada em branco.
Please enter valid data.
Por favor, insira pelo menos 1 caracteres.
Entrar
 
 
 

 

 

Posts relacionados

Gestação Gemelar

Redação InfoEquestre

Osteocondroma em Equinos

Redação InfoEquestre

Perfusão regional intravenosa aplicada ao tratamento de pitiose  

Redação InfoEquestre

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais

error: Conteúdo protegido !!