Info Equestre
Notícias

Tendinites em Equinos

Tendinites em Equinos 1

TENDINITE EM EQUINOS

Dara Santos Alves – Medicina Veterinária 8° período – Universidade Federal de
Uberlândia.

RESUMO
A equinocultura atualmente tem se tornado cada vez mais competitiva, principalmente quando se trata de equinos atletas. Os treinamentos desses animais tem se tornado cada vez mais extenuantes, sendo assim, a probabilidade de desenvolver lesões aumenta. A tendinite é uma das principais lesões musculoesqueléticas e esta associada à falta de condicionamento do animal associado ao treinamento excessivo.

Palavras chaves: Tendinite; Equinos; Esporte.

ABSTRACT
Equinoculture today has become increasingly competitive, especially when it comes toe
quine athletes. The training of these animals has become increasingly strenuous, so the
probability of developing injuries increases. Tendonitis is one of the main musculoskeletal injuries and associated with the animal’s lack of conditioning associated with excessive training.
Key words: Tendonitis; Horses; Sport.

 

INTRODUÇÃO
Atualmente a equinocultura tem sido fortemente voltada aos eventos esportivos nas diversas modalidades, valorizando o potencial atlético do cavalo. Os treinamentos e provas predispõe o animal a desenvolver lesões musculoesqueléticas, dentre as quais se destacam as tendinites (Stashak, 2006).

DESENVOLVIMENTO
Os tendões são estruturas responsáveis por realizar a conexão do osso ao músculo e as tendinites são basicamente um processo inflamatório do tendão, que ocorre principalmente nos tendões flexores e suas bainhas sinoviais dos membros anteriores, sendo que os cavalos de corrida são os mais cometidos nesse tipo, ou dos membros posteriores em cavalos de sela e tração (Thomassian, 2005).

Os eventos traumáticos ou quedas também podem promover quadros de tendinite, porém são causas mais raras, quando comparadas aos equinos atletas, que realizam atividades em alta velocidade, ou aqueles que são submetidos à intensa sobrecarga no membro até o ponto de fadiga (Smith, 2011).

Os sintomas são visualizados logo após a ação traumática, em geral, logo após corridas ou esforços durante a locomoção forçada. O local da lesão apresenta um espessamento do tendão, que em casos agudos ocorre devido ao edema local, com sinais de aumento de volume na região aumento de temperatura e intensa dor à palpação (Thomassian, 2005).

A fase crônica, que decorre da fase aguda por tratamento mal conduzido, se manifesta por fibrose e inchaço firme a palpação, com área indolor. Podem estar presentes nessa fase, sinais da fase aguda, dependendo do estágio da cicatrização ou de uma nova lesão no tendão afetado. O animal pode apresentar sinais de claudicação apenas em trabalho esforçado.

O diagnostico é feito unindo as avalições do histórico do animal, exame físico, e a utilização da ultrassonografia, como forma de avaliar o grau da lesão, além de poder eliminar outras patologias.

O tratamento para tendinite é baseado no controle do processo inflamatório, já que podem ocorrer aderências dos tendões com posterior restrição de movimento. Os anti-inflamatórios não esteroides (AINES) sistêmicos mais utilizados são a Fenilbutazona, embora o Flunixin Meglumine possa ser usado a princípio, por possuir efeito mais imediato (Stashak, 2006).

Na fase aguda, o tratamento inclui repouso absoluto, com restrição de movimento, associado com hidroterapia gelada, além de massagem com DMSO, devido suas propriedades antiedematosas e de vasodilatação (Stashak, 2006). Os exercícios devem ser retomados de forma gradativa, somente após liberação do Medico Veterinário (Thomassian, 2005). Atualmente existem diversas técnicas de tratamento
que podem auxiliar o tratamento convencional, como o uso de plasma rico em plaquetas, ultrassom terapêutico, laser e dentre outros.

A prevenção da tendinite, é baseado no treinamento condicionado para reduzir o esforço excessivo sobre o tendão, e o uso correto de técnicas de ferrageamento, são uma das formas preventivas para tendinite, e que sempre após as competições ou treinos mais forçados, a ducha de água como forma de massagem nos tendões e o devido repouso sejam empregados.

CONCLUSÃO
Diante do exposto, devemos nos atentar que os equinos de performance, devem ser tratados como verdadeiros atletas, já que vão desempenhar atividades que buscam o seu máximo de potencial. Para que os cavalos possam responder a altura do treinamento em competições, esses devem ser manejados, treinados e condicionados de maneira correta, a fim de evitar lesões que diminuam a vida atlética e o desempenho do animal.

REFERÊNCIAS
SMITH, R. K. W. Pathophysiology of tendon injury. In: ROSS, M.W.; DYSON, S. J.
Diagnosis and management of lameness in the horse. 2 nd ed. St. Louis: Elsevier
Saunders, 2011, p. 694-706.
STASHAK, T.S. Claudicação em equinos segundo Adams. Roca, São Paulo. 2006, 5ª
ed., 1112p.
THOMASSIAN, A. (Ed.). Enfermidades dos cavalos. São Paulo: Varela. 2005, 4.ed.,
573p.

Posts relacionados

Os benefícios da Equoterapia

hugo garcia da silveira 16996446886

Anestesia à campo em Equinos

hugo garcia da silveira 16996446886

Acidentes de Trabalho em Médicos Veterinários de Equino

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais

error: Conteúdo protegido !!