Info Equestre
Notícias

7 Coisas que Você não Sabia Sobre o DMSO

7 Coisas que Você não Sabia Sobre o DMSO

7 coisas que você não sabia sobre o DMSO

“Traduzido e adaptado por Amanda Petroucic Moreno, Graduanda em Medicina Veterinária pelo Centro Universitário Moura Lacerda”

 

Essa medicação de cheiro forte e característico se tornou um tratamento comum para diversas doenças de caráter inflamatório. Aqui estão alguns fatos interessantes sobre a história do DMSO e sua forma de ação:

Duas décadas atrás, se alguém mencionasse dimetil sulfóxido (DMSO) no estábulo receberia certamente olhares tortos como resposta. Naquela época, essa substância que era utilizada como solvente industrial se tornou um anti-inflamatório amplamente utilizado na medicina equina mas ainda recebia suas desconfianças no mundo do cavalo por ser uma opção um tanto quanto misteriosa.

A partir daí, o DMSO se tornou usual após ser aprovado pelo Food and Drugs Administration para uso tópico em equinos, porém muito veterinários o utilizam outras vias para tratar inflamações de laminites a problemas neurológicos.

O cheiro característico atualmente é comum nos estábulos, a maioria das pessoas do mundo do cavalo já o conhece e não se indaga mais quanto o seu uso. Seria equivalente ao uso da aspirina na medicina humana, algo que muitas pessoas utilizam sem se perguntar seu mecanismo de ação.

Conhecendo um pouco mais sobre o DMSO e seu mecanismo de ação podemos entender seus benefícios ao gerar conforto aos cavalos. Aqui apresentamos 7 coisas que você provavelmente não sabia sobre o DMSO:

  1. As propriedades terapêuticas do DMSO form descobertas por acidente.

Ele é um subproduto da fabricação do papel e foi desenvolvido para atuar na indústria como solvente. Pessoas que trabalhavam com o produto quando o derramavam por acidente em suas mãos sentiam abaixo da língua o gosto característico de alho segundos após o ocorrido. Isso chamou atenção dos químicos, que queriam entender como o produto circulou tão rapidamente pela corrente sanguínea e mucosas.

Foi em 1960 que Stanley Jacob começou a investigar o uso do DMSO para preservar órgãos que seriam transplantados. Suas pesquisas sobre o produto geraram uma comoção e vários cientistas passaram a estudar o componente como possível uso terapêutico.

Já em 1965 foi comproado eficácia do seu uso em preservação de órgãos a serem transplantados e em uma doença humana chamada cistite intersticial, sendo em 1970 aprovado para uso tópico em cavalos e cães.

 

  1. As propriedades anti-inflamatórias do DMSO vem primariamente de sua ação antioxidante.

O DMSO, assim como a fenilbutazona, é classificado como anti-inflamatório não esteroidal mas o diferencial do DMSO é que ele age primariamente como antioxidante.

Os antioxidantes adquiridos pela alimentação como a vitamina E e o licopeno são os mais conhecidos mas a molécula do DMSO faz com que ele funcione da mesma forma, ele se liga aos radicais livres, que são compostos oxigenados que sobram das reações bioquímicas do organismo que causam danos à células saudáveis. Esses radicais livres podem aparecer como subprodutos da inflamação e causam mais reações inflamatórias conforme se acumulam. O DMSO faz a limpeza desses radicais livres, que faz com que o processo de inflamação desacelere ou pare.

Geralmente seu uso para impedir inflamação e danos a tecidos moles é tópico, mas quando o dano ocorre em tecidos mais densos e profundos pode ser usado intravenoso. O médico veterinário também pode administrar o DMSO de forma oral ou intravenosa nos primeiros sinais da laminite para tentar diminuir a cascata de inflamação.

 

  1. DMSO drena fluidos dos tecidos.

Ele é um composto higroscópico, ou seja, atrai água. Essa característica torna o produto extremamente versátil pois reduz o edema de membros, coluna espinhal e até cerebral o que pode salvar a vida dos animais em doenças como a Febre do Nilo, também pode ser usado para drenar edema pulmonar agudo.

Por essa característica de drenar água dos tecidos o DMSO funciona também como diurético, fazendo com que o cavalo urine mais e expulse mais toxinas de forma mais rápida. Com isso, o DMSO de forma intravenosa pode auxiliar no tratamento de envenenamento por cantharidina, diminuindo os efeitos nos rins e no trato gastrointestinal.

Também ajuda na eliminação de compostos metabólicos produzidos pela quebra dos músculos durante o exercício que serão eliminados pela urina mais rapidamente. Porém, essa ação diurética pode ser perigosa para cavalos desidratados ou em choque, pois piora a desidratação e causa queda brusca de pressão.

 

  1. O DMSO pode carrear outra substância e facilitar sua penetração nos tecidos.

A molécula do DMSO permite que diversas substâncias se dissolvam e facilite o transporte pelas membranas celulares sem causar danos, mesmo que essas substâncias por si só não consigam passar.

Algumas afecções como apodrecimento de ranilha ou infecções de pele podem ser difíceis de tratar pois os organismos responsivos muitas vezes ficam abaixo de tecido lesionado.

O uso do DMSO com agente antimicrobianos pode passar tranquilamente e agir no local necessário , pela mesma razão ele é bastante usado associado a agentes antifúngicos para tratamento oftalmológico e as vezes com esteróides pra tratamento tópico.

Não fazer misturas com DMSO sem a prescrição de um veterinário pois alguns compostos misturados podem ser tóxicos. Não utilizar com repelentes para mosquitos, organofosforados, ou marcúrio. Cuidado ao utilizar misturas de DMSO com atrpina ou corticóides. Procure um médico veterinário para avaliar a segurança do procedimento.

 

  1. O DMSO sozinho causa alívio da dor.

Apesar de ser comum fazer misturas para ser usado no alívio das dores, alguns estudos dizem que o DMSO por si só possui propriedades analgésicas pois ele impede que os impulsos nervosos sejam transmitidos e assim ajuda a aliviar dores como musculoesqueléticas e em incisões cirúrgicas. O alívio é temporário durando apenas algumas horas pois conforme o DMSO é metabolizado os impulsos celulares retornam, ele pode ser misturado a outras substâncias para aumentar a duração da analgesia.

O DMSO é um composto extremamente versátil, algumas das aplicações do DMSO incluem: uso em cólica cirúrgica com risco de aderências, inflamação ou má perfusão, alguns cirurgiões acreditam que ele ajuda no alívio da dor logo no período trans-cirúrgico.

 

  1. O DMSO é proibido em algumas modalidades esportivas.

O DMSO não é propriamente uma medicação mas ele é tratado como uma em alguns esportes podendo ser pega no dopping.

A Federação Equestre Internacional classifica o DMSO como uma substância controlada e proibida, levando em consideração que ela tem ação terapêutica e pode alterar a performance do animal, sendo então seu uso proibido ou limitado.

A FEI permite até 15 microgramas por mililitro de urina ou 1 micrograma por mililitro de plasma, já no Jockey Club é permitido 10 microgramas por mililitro de plasma. Caso vá competir com seu cavalo e utilizar o DMSO entre em contato com a organização do esporte e solicite as limitações do produto.

Sempre tenha em mente que o DMSO carreia outras substâncias pelos tecidos, utilizar misturado com outras medicações pode causar dopping para ambas. Misturas de DMSO com diclofenaco pode aumentar muito a concentração sanguínea acusando dopping. O guia de medicação de Federações Equestres dos Estados Unidos cita: “Não aplicar creme a base de diclofenaco em combinação com nenhum outro medicamento tópico, incluindo DMSO, nitrofurazona ou linimentos”.

 

  1. O uso do DMSO em cavalos não foi estudado extensivamente.

Sabe-se que o DMSO tem efeito muito bom para o alívio de dores em equinos, porém este uso não possui uma base científica consolidada, diferente de outros medicamentos desenvolvidos especificamente para seu uso terapêutico. Alguns estudos sobre o DMSO são contraditórios principalmente para o tratamento de artrite.

Poucas informações estão disponíveis sobre a dosagem, frequentemente os veterinários se baseiam em suas experiências e na de seus colegas para decidir como e quando usar, por isso é importante consultar o veterinário ao usar o produto.

Independente da forma que for feita a aplicação o DMSO requer um manejo cuidadoso. Devido a sua versatilidade, se você não o usou até hoje provavelmente um dia irá usar. Se você fizer isso, mantenha essas características do produto em mente para garantir que seu cavalo se beneficie totalmente dessa preparação incomum.

Fonte: https://equusmagazine.com/diseases/seven-things-about-dmso

Posts relacionados

Resultados surpreendentes em relação a condição navicular rara

Redação InfoEquestre

Tenossinovite Séptica Equina

Redação InfoEquestre

Melhore a sua Visualização da Claudicação em Equinos

Redação InfoEquestre

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais

error: Conteúdo protegido !!